Quarta-feira, 16.10.13

 

Não suporto pessoas que dizem uma coisa e fazem outra. Não aguento pessoas que dizem que não ficam chateadas, mas que horas depois é assim que estão. Há uma ideia de que os homens é que não conhecem as mulheres, não sabem o que elas querem, não percebem que um não no momento errado é um sim, e vice-versa. É verdade, provavelmente os homens não sabem isso. Eu, pelo menos, não sei. Às vezes parece que o pressinto, mas não tenho maneira de lhes ler os pensamentos. Porque no fundo, é isso: as mulheres querem que os homens saibam ler a mente delas, e aprendam a ignorar as suas palavras. Sem manual de instruções nem um mero vídeo no Youtube que ajude. Mas ai de quem diga que é isso que elas querem, que elas pedem para que as suas palavras sejam ignoradas cada vez que a voz tremer ou pareça estranha, porque estão a mentir. E ai de quem lhes diga também que estão a mentir quando dizem um não que é um sim, um sim que é um talvez, um talvez que é um não certo. Ser directo, dizer as coisas que são precisas quando são precisas, sem palavras a mais nem a menos, pode ser uma arte. Uma arte que algumas mulheres podiam começar a pensar em cultivar. Porque não, isso que vocês fazem não são figuras de estilo, nem jogos subtis que nós temos de decifrar. É só irritante, basicamente.


Arquivado em: ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:36 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 09.01.13

 

Em virtude de ter sido seleccionado para figurar nas páginas da LER deste mês, decidi recuperar esse curto texto que foi aqui publicado em Setembro de 2011 (apenas alterei o texto, por sugestão implícita do José Mário Silva):

 

Estive a pensar e cheguei a uma conclusão: as mulheres são literatura.

 

Há mulheres que são poemas. É fácil distingui-las, nota-se logo na maneira como falam, na capacidade de não dizer o óbvio por palavras comuns. Mas também na maneira como se vestem, como andam ou dançam de maneira frágil e despreocupada, como reparam nos pormenores invisíveis do mundo.

 

Há outras que são contos. São mais mundanas, vivem com os pés bem assentes no chão. Percebe-se no ritmo em que vivem e como não lhes interessa tanto o belo pormenor como o vulgar dia-a-dia. Desconfio que no fim deve haver alguma reviravolta, algo bizarro, algo borgesiano, mas não sei.

 

As mulheres-novela são simples. Rápidas e românticas, com uma dose exagerada de drama à mistura.

 

Mas nunca conheci uma mulher onde visse um romance.


Arquivado em: , ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:48 | link do post | comentar

Segunda-feira, 22.10.12

 

 

 

Sky Ferreira


Arquivado em: ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:50 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.06.12



Arquivado em: ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:16 | link do post | comentar

Quinta-feira, 10.05.12

 

 

 


Arquivado em: ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:37 | link do post | comentar

Segunda-feira, 16.04.12

Apoiam a Lei de Quotas, e depois levam com coisas como a Bárbara Guimarães a falar sobre música. E tudo só porque tem pipi.

Arquivado em: , , ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:16 | link do post | comentar

Quinta-feira, 08.03.12

 

Feliz dia da Mulher. Ou das mulheres. Bonitas ou feias, hoje não interessa.


Arquivado em:

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:19 | link do post | comentar

Segunda-feira, 13.02.12
Sim? Não? O género não interessa? Um artigo sobre o papel das mulheres na política é muito interessante (e raro). Quando é escrito por alguém como Joseph Nye, mais interessante se torna. E está traduzido para português e tudo. E ler

Arquivado em: ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:46 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 22.11.11
Como o derby se está a aproximar, fica o aviso a outras senhoras de que poderão cair nesta situação. O meu conselho é, por isso, provocar tudo antes do início do jogo.

Arquivado em: ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:57 | link do post | comentar

Segunda-feira, 14.11.11

Arquivado em: , ,

pela pena de Luís de Aguiar Fernandes às 10:26 | link do post | comentar

Luís de Aguiar Fernandes
Artigos recentes

Uma palavras (possivelmen...

Mulheres & Literatura. (r...

Quem diz que Portugal não...

Quem diz que Portugal não...

Quem diz que Portugal não...

Os Ídolos e a Lei de Quot...

Viva as mulheres!

O Mundo era mais pacífico...

Serviço público. (II)

Isto sem ti não será a me...

Arquivado em

blog

cinema

eleições

escritos

eu

fdl

festivais

futebol

governo

literatura

manifestação

mentira

mulheres

música

poesia

portugal

presidenciais

ps

socialismo

sporting

todas as tags

Arquivo

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Componente
blogs SAPO
subscrever feeds